História

Santa Margarida pertencia ao município de São Gabriel, como Distrito, do qual foi desmembrado pela Lei, nº 10.751/96, de abril de 1996.

O Município surgiu a partir da ideia de um grupo de margaridenses que acreditava que a emancipação traria desenvolvimento.

A Comissão Emancipatória, criada em 24 de junho de 1994, foi assim composta: Presidente: Orestes da Silva Goulart, Vice - presidente: Círio Pedrotti, 1º secretário: Darcy Froehlich; 2º secretário: Paulo César Saldanha Goulart; 1º tesoureiro: Italmar Maldonado Chaves; 2° tesoureiro: Círio Lauxen. Conselho Fiscal: Delir dos Santos Rocha, Jaci Martins Silveira, José Italazairu Brum. Suplentes: Elton Leão Faria, Marcelo Rodrigues Muller, Aristides Jovenal Jardim.

O credenciamento oficial da Comissão foi expedido em 26 de janeiro de 1995 pela Assembleia Legislativa do Estado. A partir daí uma série de providências foram tomadas sobre transferências legais e legítimas de títulos de eleitores com residência e propriedade na área emancipada. O primeiro Plebiscito marcado para perguntar se a população queria ou não a emancipação não foi realizada devido a grande movimentação dos contrários ao movimento. Foi preciso recorrer ao TSE para reverter a situação e o Plebiscito ocorreu em 24 de março de 1996 com 1.056 votos “sim” e 243 “não”.

Apesar do Município ter sido emancipado em 1996 não foi neste ano que os Margaridenses escolheram seu Prefeito, apenas em 2000 houve eleição, e o primeiro Prefeito foi o Ilustre cidadão, Presidente da Comissão Emancipatória, Sr. Orestes da Silva Goulart.

O Município permaneceu com o mesmo nome de quando ainda era Distrito, acrescentando-se apenas “do Sul”. O nome Santa Margarida segundo a história oral originou-se da homenagem feita a dona de uma grande fazenda de gado existente da região. A extensão desta estância abarcava quase todo o distrito de Santa Margarida, porém, através da evolução histórica as terras pertencentes à Estância de Santa Margarida foram sendo divididas, passando a pertencer a vários proprietários.

Primeiros Povoados

Os primeiros povoados de Santa Margarida do Sul eram constituídos de várias classes sociais e diversas etnias: europeus, índios e negros. No que tangem aos aspectos populacionais é oportuno ressaltar que os primeiros habitantes que aqui se instalaram eram de origem portuguesa e seus descendentes dedicaram-se até meados do século XX somente à pecuária tradicional. Deste povo herdamos a língua que falamos a religião católica e o uso do sal e do açúcar na alimentação.

Com a construção da BR 290, na década de 60/70, que atravessa toda a área emancipada e a implantação da energia elétrica, na década de 80, atraiu número considerável de pessoas de outras regiões do estado, de diversas etnias, como alemãs e italianas, por exemplo. De tais imigrantes foram herdados vários hábitos e costumes que enriqueceram a cultura e impulsionaram o progresso da região, inclusive na agricultura, com técnicas mais avançadas que trouxeram de suas procedências.

Distritos

O município de Santa Margarida do Sul possui cinco distritos: Distrito do Bolso, Distrito de Santa Margarida, Distrito de Canas, Distrito da Serrinha e Distrito de Cambaizinho.

O Distrito do BOLSO limita-se ao Sul, com a BR 290, ao Norte, com o Município de São Gabriel, a Oeste, também com o Município de São Gabriel, e a Leste, com o Distrito de Santa Margarida, tendo a sua sede a Comunidade do Bolso.

O Distrito de SANTA MARGARIDA limita-se ao Sul, com o Distrito da Serrinha, ao Norte, com o Município de São Gabriel, a Oeste, com o Distrito do Bolso e, a Leste, com o distrito de Cambaizinho, tendo a sua sede localizada na zona urbana do Município.

O Distrito de CANAS limita-se ao Sul, com o Município de São Gabriel, ao Norte, com a BR 290, a Oeste, com o Município de São Gabriel e, a Leste, com o Distrito de Serrinha, tendo como sua sede a Estância do Panorama.

O Distrito da SERRINHA limita-se ao Sul, com o Município de São Gabriel e o Município de Lavras do Sul, ao Norte, com o Distrito de Santa Margarida, a Oeste, com o Distrito de Canas e o Município de São Gabriel e, a Leste, com Distrito de Cambaizinho e o Município de Vila Nova do Sul, tendo como sua sede a Estância Bela Cascata.

O Distrito de CAMBAIZINHO, cortado ao meio pela BR 290, sentido Leste-Oeste, limitando-se ao Sul, com o Município de Vila Nova do Sul, ao Norte, com o Município de São Gabriel, a Oeste, com os Distritos da Serrinha e Santa Margarida e a Leste, com o Município de Vila Nova do sul, tendo como sua sede a Estância do Sobrado.

Economia

A economia do Município baseia-se principalmente na agropecuária. O setor primário de Santa Margarida do Sul possui várias alternativas, especialmente na agricultura. As principais culturas são o soja e o arroz, seguidos do trigo, cevada e painço. A citricultura e a vitivinicultura estão apresentando considerável desenvolvimento no Município. A Bacia leiteira é uma característica do Município. Também a criação de suínos e javalis para abate e um complexo industrial que trata do beneficiamento de cereais.

A energia elétrica do Município é fornecida pela AES SUL e pela CELETRO – Cooperativa de Eletrificação Centro Jacuí LTDA.

Há um estabelecimento bancário instalado e atuando no Município, o SICREDI, porém com reconhecido aumento no volume de negócios nos últimos anos.

O comércio está representado com lojas de confecções em geral, bazar, livraria, ótica, material de construção, elétrico e hidráulico, farmácia, loja de produtos agropecuários, mercados, lancherias, posto de combustível, bares e restaurantes e empresa de beneficiamento de arroz e outros.

O município de Santa Margarida do Sul, economicamente, apresenta dificuldades na oferta de empregos, sendo que filhos de pequenos agricultores deixam a zona rural, deslocando-se para as cidades em busca de melhores condições de vida. Isto devido à baixa renda familiar em pequenas propriedades de famílias numerosas. Para minimizar esta situação, o município vem se empenhando na organização e desenvolvimento da sociedade local objetivando melhores oportunidades de trabalhos para todos.

Cultura e Lazer

Santa Margarida tem praça pública com espaço para recreação e lazer que é utilizada para a realização de diversos eventos.

Santa Margarida possui várias entidades culturais, destacamos as entidades tradicionalistas: PTG Rincão da Serrinha, PTG Aconchego dos Gaudérios, PTG Estância do Sobrado, PTG Rincão do Mangueirão e o CTG Plácido de Castro. O Grupo Adulto do Departamento Cultural Municipal Plácido de Castro participa de diversos concursos pelo estado representando o Município. Possuem ainda associações de moradores, salões da comunidade e a Quase-Paróquia Santa Margarida Maria de Alacoque.

Destacam-se os seguintes eventos: Feira Agro - Pecuária, carnaval de rua, CANTARTE, Flete da Canção Gaúcha, torneio de futebol, campeonato de bocha entre outros.

Patrono do Município - PLÁCIDO DE DASTRO

É digno de nota, na história de Santa Margarida, o ilustre personagem Coronel José Plácido de Castro, filho do Capitão Prudente da Fonseca Castro e de Zeferina Oliveira Castro. Plácido de Castro nasceu em 12 de dezembro de 1873, no lugar conhecido como Tapera da Genoveva, em Laranjeiras, distrito de Santa Margarida, município de São Gabriel, hoje localizada na propriedade do Dr. Milton Teixeira, município de Santa Margarida do Sul.

Com menos de dezesseis anos assentou praça no 1° Regimento de Artilharia de Campanha, depois cursou a Escola Tática e de tiro de Rio Pardo. No início do ano de 1893 matriculou-se na Escola Militar de Porto Alegre. Por ato de bravura chegou ao posto de major, destacando-se nos combates do Rio Negro, Caverá e Várzea do Vacacaí.
O território do Acre que pertencia a Bolívia estava sendo povoado por brasileiros que se dedicavam à exploração de seringais e faziam comércio do referido produto através do Rio Amazonas. A moeda, o idioma e os seringalistas daquele território eram brasileiros, motivo que levou o povo do Acre a desejar a anexação de seu território ao Brasil e por este travou a guerra.

Plácido de Castro aceitou o convite para ser comandante das tropas acreanas nessa batalha. O comandante Plácido de Castro deu início a Revolução em 06 de agosto de 1902, tomando de assalto o povoado de Xapuri, consolidou-se seu objetivo no dia 07 de agosto, quando proclamou a independência do Acre. Depois de sucessivas vitórias sob as tropas bolivianas, Plácido de Castro foi aclamado Governador do Acre, em janeiro de 1903. Em março era assinado, em La Paz, o “Modos Vivendi” entre o Brasil e a Bolívia, suspendendo as hostilidades do Acre. No dia 17 de novembro de 1903 o Tratado de Petrópolis fixava novos limites entre a Bolívia e o Brasil. Em 1906 foi nomeado pelo Governo Federal, Prefeito do alto Acre.

Tornando-se famoso despertou um sentimento de hostilidade naqueles que não gostam do sucesso, criando inimigos que provocaram sua morte no dia 11 de agosto de 1908. Foi cognominado “Libertador do Acre” figura hoje entre os maiores vultos da nossa história. Seu nome consta do “Livro de Aço dos Heróis da Pátria e da Liberdade”, no Panteão da Pátria, na Praça dos Três Poderes, em Brasília, desde o dia 17 de novembro de 2004. Ressalta-se no tempo e no espaço pelos seus feitos de bravura e heroísmo em prol da causa Acreana, uma reivindicação patriótica que empolgara os habitantes daquela conflagrada região da Amazônia.

Padroeira do Município- SANTA MARGARIDA MARIA ALACOQUE

A Padroeira do Município é SANTA MARGARIDA MARIA ALACOQUE, o nome desta santa está indelevelmente associado à devoção ao Sagrado Coração de Jesus. Por ela, o mosteiro da Visitação de Paray-le-Monial, na França, tornar-se-ia o centro desta devoção. A Comunidade Santa Margarida Maria Alacoque é Quase-Paróquia. 

Crendice Popular

Como crendices populares têm o Negrinho da Sanga Funda. Pantaleão dos Santos, um menino que aos 12 anos de idade, foi assaltado, assassinado e degolado, sua cabeça foi jogada em um buraco. Por ser Pantaleão, um inocente com apenas 12 anos de idade fez nascer nos corações da população crente, sentimentos de devoção e fé, que o canonizaram, na busca de conforto espiritual. Foi construída uma capelinha na estrada de São Gabriel – Bagé, onde são depositadas flores, coroas e velas para pagar pedidos de promessas atendidas.